sábado, 20 de abril de 2013

Ternura


Imagem via Tumblr


Eu te peço perdão por te amar de repente.
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos. 
Das horas que passei à sombra dos teus gestos bebendo da tua boca o perfume
dos sorrisos.
Das noites que vivi acalentado pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo.
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer que o grande afeto que te deixo não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas, nem as misteriosas palavras dos véus da alma...
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias.
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta e deixe que as mãos cálidas
da noite encontrem sem fatalidade o olhar estático da aurora.

(Vinícius de Moraes)

3 comentários:

  1. Muito lindo!!! beijos,ótimo dia!chica

    ResponderExcluir
  2. Bel,

    Lindo poema do grande poeta Vinícius de Moraes.
    Um lindo e abençoado Domingo! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Muito bonita esta reflexão, bem ao jeito do velho mestre Vinicius :-) obrigado pela sua visita lá no meu blog :-) ainda bem que lhe lembrou coisas boas a minha ambrósia, nós somos muito as recordações que temos :-)

    ResponderExcluir

De volta

Amigos... Desde Dezembro, tanta coisa aconteceu...Minha vida deu 360º , mas se estou feliz? Estou em paz, leve e solta...(não no sentido...