quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O Valioso tempo dos maduros

O tempo passa tão rápido que estamos tão envolvidos no cotidiano que perdemos alguns detalhes da nossa essência.Hoje acabei por perder um pouco de meu valioso tempo!
Li esse texto de Mário de Andrade e me questionei e vi que perdemos tanto tempo com coisas que não valem a pena.
Aproveitem...

Imagem do Google


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói até o caroço.
Já não tem tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestosos cargo de secretário geral do coral.
As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...
Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana, que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge da sua mortalidade.
Só há que caminhar perto de coisas e pessoas de verdade.
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!
Mário de Andrade

17 comentários:

  1. Bel, esse texto nos faz refletir muito sobre o corre corre diário. Sabe que ele tinha razão? Temos que viver cada momento como se fosse único!!!Eu também "quero a essência, minha alma tem pressa" beijos, Ro

    ResponderExcluir
  2. Querida,
    Esse texto me diz sempre muito quando o leio...
    Bjm de paz e felizes jabuticabas...

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com Mario de Andrade.Lindo texto, verdades incontestáveis.Vale ler e reler.A vida não pode ser desperdiçada com coisas sem importância. Vale viver com e pelas pessoas que amamos e nos importamos. Vale fazer só o que nos dá prazer, sempre.Um forte abraço Eloah

    ResponderExcluir
  4. Para mim também.rs.bjs e muita paz.

    ResponderExcluir
  5. É hora de dar um tempo para nós antes que a vida passe rápido mesmo.
    Beijos e um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  6. bom dia Bel! é um prazer conhece-la!!!!!!o texto reflete muito os dias de hoje e a importancia de conhecer a si mesmo parece q ficou esquecida...é sempre bom rele-lo p lembrar! super beijo p vc!

    ResponderExcluir
  7. Bel, é um caso pra refletir.
    Às vezes me sinto assim mesmo, como o texto. Tantas inutilidades que acontecem que não nos leva a nada, e a vida correndo como o vento.

    Beijos e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  8. Bel, já conhecia o texto e relê-lo trouxe à tona da consciência sua ampla claridade sobre os preciosos momentos de vida que muitas das vezes, por acomodação ou outra distorção qualquer deixamos passar despercebidos.
    Estou alinhada com o autor nos quatro últimos parágrafos...Amém!
    Bjos e bom fim de semana,
    Calu

    ResponderExcluir
  9. Não pretendo desvirtuar o post.

    Reflectindo na existência como um todo, o presente, existe, mas, por outro lado, o que é o presente?

    Será uma fase transitória?

    O passado passou, o presente vai-se tornando passado, o futuro também se vai transformar em passado.

    O pensamento talvez seja ilusório porque ao lembrar o passado, é a partir do que sou no presente. Ora, sou sempre diferente mas, projectado para o futuro, talvez numa antecipação, porque no futuro está o fim da existência.

    Ass: Mário

    ResponderExcluir
  10. Ola, faço parte das blogueiras unidas nº 115 e vim conhecer seu cantinho, adorei! , se quiseres aparecer la no meu seras muito bem vinda, te espero com carinho e tem selinho e sorteio para voce la no meu blog;

    bjs

    Caról Eibel

    http://caroleibel.blogspot.com

    SORTEIO MEGA FOFO NO BLOG DEIXO A VIDA ME LEVAR bora fazer parte

    E aproveito para te convidar a participar do nosso primeiro SORTEIO Venha voce tambem participar

    ResponderExcluir
  11. É lamentável que as pessoas tenham de chegar a mais de metade da sua vida para concluir que o tempo foi desperdiçado em coisas inúteis e fúteis.
    A verdade é que ninguém pensa nisso quando é jovem e tem a ilusão que o será eternamente.
    Somente quando o peso dos anos começa a fazer-se sentir, é que vem à ideia o tempo perdido em discussões, mal entendidos e coisas mesquinhas que não levam a lado nenhum.
    Será que podem voltar atrás?
    Claro que não! Restam-lhes apenas a esperança de poderem viver o tempo suficiente, para não cometerem os mesmos erros.

    Assina:
    Katy

    ResponderExcluir
  12. Bel
    Que riqueza de texto, menina! Caramba, vou já guardá-lo nos meus arquivos indeletáveis e repassá-lo pra várias pessoas que PRECISAM ler algo do tipo!Perfeito!
    Obrigada pelo carinho deixado lá no Amadeirado hoje! Bjkas com muito carinho!

    ResponderExcluir
  13. Olá Bel

    De fato tenho pensado muito nisso ultimamente.

    O que apavora é saber que o tempo caminha rumo ao fim, que pode ser hoje, amanhã, depois de amanhã...

    Melhor é demorar as jabuticabas a ver se acabam devagar.

    Como quando a gente come chocolate, com medo de ele acabar depressa demais.

    Rsrs!

    ResponderExcluir
  14. O texto é muito belo, delicado e profundo. Cabe mesmo somente uma correção. O autor é Rubem Alves...

    ResponderExcluir
  15. Olá..Obrigado pelo alerta, mas pesquisei e achei outro autor.Fiquei em dúvida agora, mas foi bom pelo simples fato que muitos textos são plagiados, alguns meus já foram plagiados...Abraço
    Paz e bem

    ResponderExcluir
  16. Olá Bel, é um belo texto mas existem várias polêmicas sobre quem é o autor. A corrente mais forte é que seja de Ricardo Gondim, mas de qualquer forma ou autoria aconselho a visitarem o site abaixo onde José Cláudio Cacá, faz referências sobre justamente esse texto. Abraço e parabéns pelo belo site.
    http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/3182732

    ResponderExcluir