sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Como não sentir o que eles sentem


Imagem do Google 
 

Tive duas experiências de ontem para cá, justamente com meus dois filhos,mãe é como uma leoa, defende seus filhos até em pensamento.
A vontade é ir lá resolver seus problemas com colegas, com amigos, com eles, mas não podemos fazer isso, pois estariamos criando-os em uma redoma e no futuro não saberiam tomar as rédeas da situação.

Como mãe é muito doloroso vendo eles sofrendo por qualquer coisa que seja, pensamos que poderíamos atenuar sua dor e ajudá-los para reverter a situação.
Para mim seria tão fácil , chegar no problema e dá uns tapas(como se na realidade a gente resolvesse desta forma com adultos) e falar à altura e resolvido.
Também tem a questão que são assuntos da  idade deles e isso faz com que eles cresçam e possam tomar as suas próprias decisões.
Claro que podemos dar algumas dicas sem uma possível interferência, segurando a língua para não ir mais longe.
Incrível como podemos sentir um "leve sentimento" de repúdio e indignação por pequenos assuntos, que certamente depois de amanhã já terá passado.Ver a carinha de sofrimento , de que foram excluídos, de que foram mal tratados me afeta e muito..
Tento fazer o mínimo de alarde ou comentários para que eles não sintam esse "leve sentimento" de rancor e mágoa.
Dou um pouco de colo e depois passa, mas acreditem dói de ver.

14 comentários:

  1. Olá, querida
    Sabe, amiga, tenho um triste experiência do que fala: moro em frente a um colégio e vem mãe bater no filho dos outros pra "tirar satisfação" do que o filho dela se queixou... não vem pro diálogo... é incrível!!!!
    Vc faz bem em ponderar seus sentimentos maternos que são de coruja como o meu...
    Bjm de paz

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, moça. Obrigada pela visita.

    Ainda não tenho filhos, mas acredito piamente nessa máxima. Acho que o cordão umbilical é cortado só fisicamente, né?

    Beijo nas crianças e um ótimo final de semana para toda a família

    ResponderExcluir
  3. Oi Bel!
    Filho não deveria sofrer, não?
    Para nós é uma dor em dobro, mas sabemos que se cresce assim, vivenciando tudo isso.
    Beijos e um super fds!

    ResponderExcluir
  4. Quando alguem comenta lá no meu blog eu normalmente venho cuscar se não conheço, normalmente são blogs de culinária também.
    Engraçado encontrar aqui logo este pensamento sobre um assunto que me afecta muito, tenho um menino que fez agora 8 anos mas é adotado e foi adotado já com quase 6 anos, pois tem sido uma tortura para nós, não pela dificuldade de adaptação dele a nós nem de nós a ele, que da minha parte foi amor á primeira vista, mas pela discriminação que vejo ele passar na escola e com os amigos. Pela vida passada dele, ele tem muitas falhas a nível de conhecimentos e experiencias que não viveu na altura certa e quando o vejo chegar a casa choramingando porque os meninos gozam com ele por isto ou aquilo, a vontade qua me dá é ir lá partir a cara a todos até dos adultos que sabendo da situação dele não toleram nada!!!
    Desculpe pelo texto tão grande, mas o seu pensamento veio mesmo ao encontro das minhas ansiedades ultimamente!!
    Obrigado pela visita e sinta-se á vontade para voltar se gostar :-)
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Aff, mãe é tudo igual !!Sinto o mesmo com os meus que já são adultos srsrrsrsr Bjis

    ResponderExcluir
  6. Ai ai ser mãe é sofrer no paraíso (frase antiga mas verdadeira).
    Nos cabe ensinar, só. Difícil, não é?
    Mais temos que dizer que quando somos rejeitados de um lado seremos queridos do outro .........
    Meu filho é adulto e casado, já passou por tudo isso e hoje é querido por todos e feliz. A vida vai ensinando junto com a gente.
    Tarefa difícil ......... mas com Amor tudo se resolve.
    Bom finde.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Bel... é verdade amiga doí muito ver um filho sofrer, mas você tem rasão nem sempre podemos interferir.
    Mas quando acho que devo interfiro sim ... uma vez meu filho estava tendo problemas com o professor e a coisa estava ficando muito pessoal, ai sem que ele soubesse e nunca ficou sabendo, fui conversar com o professor, foi ótimo, claro que não me coloquei como uma mãe vindo fazer reclamação, só queria ouvir os dois lados, o professor tb foi dez e reavaliou sua postura e a partir desse dia o relacionamento entre eles mudou. Nós como mães devemos sempre usar nossa intuição, podemos até errar mas na maioria das vezes vamos acertar.
    Beijos no coração
    Marcia

    ResponderExcluir
  8. Olá fazendo uma visitinha e seguindo se puder segue o meu tbm, ok.
    http://beleza-facil.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Vim,ainda,com uma mensagem igual pra todos,agradecer os carinhos e força!

    Tão logo possa, tudo será normal!

    Espero!

    Aqui tudo andando...graças à Deus! beijos,chica

    ResponderExcluir
  10. Querida Bel,

    É natural de toda mãe ter esse instinto de defesa e proteção. Mas a sabedoria também lhe incutiu que existe limites que mostram até onde ela pode ir. Fazer com que seu filho aprenda a caminhar com seus próprios pés é difícil no começo mas depois ela percebe que valeu a pena e que sua missão de mãe foi cumprida...

    Um beijo carinhoso no seu coração
    Tenha um lindo final de semana

    Deus seja contigo

    ResponderExcluir
  11. Oi flor, parabéns pelo blog, adorei!!

    Sou do Blogueiras Unidas também, 1025, aguardo sua visitinha!!

    http://flordeeros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Vim…
    Gostei…
    Sim, vou voltar...

    Um beijo da Nita.
    De boa noite.

    ResponderExcluir
  13. E como dói.... isso acaba com a gente.
    Mas temos que engolir seco e ensinar eles a se defenderem ou então saber como lidar com a situação. É difícil, mas é pro bem deles.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Mãe,acho que esse dom não é pra qualquer uma não.Cuidar,amar,educar,ver crescer,dar amor,acalentar,tantas coisas que transformam a mulher em luz que ilumina seus filhos.
    Abraço Bel,bom fim de semana=)

    ResponderExcluir