As muitas fomes


Imagem do Google

As imagens de infância são companheiras inseparáveis. Dependendo o momento, elas adquirem singular espaço na mente e no coração. Acredito que alguns fatos ocorridos em épocas distantes não envelhecem. A impressão é que aconteceram ontem ou minutos atrás. Quando estou à mesa, instantaneamente recordo que fomos orientados a não sobrar comida. O que era servido deveria ser consumido. Nem mesmo um grão de arroz podia restar no prato. Evidente que eram tempos marcados pela carência, embora o essencial nunca faltasse.
Dados recentes destacam que, na Europa e América do Norte, cada pessoa desperdiça anualmente entre 95 e 115 kg de alimento. Isso motivou o Parlamento Europeu a recomendar aos países membros da União Europeia a redução de 50% desse desperdício até 2025. Não é ético jogar fora alimentos, enquanto outros passam fome. Além disso, paira uma incerteza: até quando o planeta produzirá alimentos para serem desperdiçados?
Se não for por opção humanitária, que seja por carência. O certo é que o desperdício de alimentos está com os dias contados. Penso diariamente na possibilidade de reformulações legais para aproveitar o excedente de alimentos das cozinhas industriais, por exemplo. Quando houver boa vontade política e sensibilidade humana, reformulações acontecerão para beneficiar a todos.
O ser humano não tem apenas fome de alimento. Há outras fomes: de paz, amor, ternura, justiça, estética, espiritualidade, solidariedade... Num certo sentido, é eternamente insatisfeito e inquieto. Existir é saciar-se integralmente. Ao limitar-se na busca do pão de cada dia, perde a oportunidade de responder aos anseios mais profundos. Impossível viver feliz tendo apenas coisas materiais.
Quando me detenho a olhar a movimentação diária das pessoas, percebo que poucos estão qualificando adequadamente a vida. Há como um desespero em busca do ter mais, independente se o ser está equilibrado e feliz. A vida é grandiosa demais para se satisfazer apenas materialmente. Continuo não sobrando arroz no prato, mas busco a paz para qualificar meus dias e saciar outras fomes.


(Frei Jaime Bettega)

Comentários

  1. Que maravilha de mensagem.Verdadeira!!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Bel!
    Que texto sensato e sábio. Hoje cada vez mais precisamos repensar nossas prioridades, fazer do ser algo mais primordial em nossa vida, repensar atitudes egoistas e pensar em/no conjunto.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Odeio deixar comida no prato. E em self service tento colocar o que eu realmente vou comer. Muito feio comida sobrando no prato, ter que jogar fora alimento, não!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem Coletiva 5ª Fase - Reintegração

Poema à boca fechada