Seu abraço

Reencontro
Imagem via Google


-Foi o acaso, pois perdi o telefone de Isabelli e outro dia nos encontramos e convidei -á de última hora.Ela foi muito legal em aceitar e não tive tempo de falar  que estaria por aqui.

-Bom, vou dar mais uma volta para ver se falta alguma coisa, se comportem. E saiu com uma piscadela.

Minha taça estava vazia, passou um garçom e troquei. Minha cabeça estava girando, mas não era só a bebida, era ter Eduardo bem na minha frente, solteiro, livre, solto e tanta coisa passando pela minha cabeça.

Na realidade eu queria tocá-lo, encostar minha cabeça em seu ombro, deixar seu abraço tomar conta de mim. Estava tão carente de um abraço, de um beijo...
Minha cabeça girou e senti que iria cair, quando um braço forte me segurou e deixei que seus olhos encontrassem o meu, o hálito de sua boca perto da minha, meus braços se enroscaram em seu pescoço. Deixei que a lua fosse testemunha deste momento mágico.

Quando ele me ergueu, suas mãos continuavam na minha cintura. Um arrepio percorreu todo meu corpo e deixei que sua mão vagasse pelas minhas costas, chegassem ao pescoço e seus olhos continuavam me fitar de uma maneira sincronizada com tudo que ele fazia. Nada escutava somente o som do meu coração.

Sua boca foi chegando mais perto da minha e eu não queria resistir a nenhum movimento, queria me entregar de fato.

Continua...

(Bel Rech)


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Blogagem Coletiva 5ª Fase - Reintegração

Poema à boca fechada