quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Blogagem Coletiva-Morte


"Há dois caminhos: um da vida e outra da morte.A diferença entre ambos é grande."
(Didaqué 1 e 5)

Não é confortável falar da morte, pois sempre vem a mente tristeza e que jamais voltará para nós.
Nesta proposta das queridissímas Espiritual Idade ,Naco ZinhaPublicar para Partilhar venho falar da morte, justamente quando passamos pelas fases da vida, cada uma que passa...morre!
Não voltará nunca mais como um dia foi, nem parecido, nem igual e tampouco aproximado.
Vamos deixando para trás aquilo que não mais nos pertence, simplesmente morreu dentro de nós ou acabou.
De todas maneiras é uma morte, deste momento se foi e não tem como trazer de volta, é impossível trazer aquilo que a gente já viveu, que amou, que desejou, que chorou, que teve alegrias ou que não teve nada.
Tudo nasce, cresce, floresce e morre...e assim é conosco, com nossa vida em algum determinado dia morre.
É uma morte para o renascimento  e de crescimento.
Penso que  falar da morte é como falar da vida,  existe uma diferença entre elas, uma é a que desfrutamos e a outra não temos sequer ideia do que vai ser, embora eu acredite que vai ser melhor.
Se tenho dúvidas, tenho! Crer também é ter dúvidas...
A morte vive entre o nascimento,  a adolescência, a juventude, a maturidade e a melhor idade.
Entre uma fase e outra algo há de morrer!




21 comentários:

  1. Muit agente não gosta mesmo de falar em morte, mas para mim, é isso, mais uma fase. É algo que sabemos que um dia vai acontecer.
    Como vc também creio que algo bom virá após ela.

    Ah venha mesmo conhecer o Rio :)

    beijo e ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  2. Bel, o que acabou de morrer foi a nossa blogagem coletiva não é? Você sempre com textos sábios. Parabéns. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Bel, que bacana a sua maneira de encarar essa fase que a maioria teme, justammennte porque leva quem amamos e que sabemos que dela não escapamos mesmo. parabéns pela sua ppartilha, seu poonto de vista! Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Bel, esse tema foi mesmo muito difícil, né? Mas você conseguiu abordá-lo de uma forma muito positiva, no sentido da transformação. E, afinal, temos mais é que aprender com tudo isso, não é verdade? Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Gostei de mais do teu texto sobre a morte,comparando-a com tudo que perdemos ao longa da nossa vida.E sendo a única coisa certa durante nossa existência.Beijos

    ResponderExcluir
  6. Bel, custei mas cheguei!
    Nesse aspecto de perdas e ganhos, a morte entre como algo salutar. Tudo é aprendizagem!
    Existe, realmente, um morrer constante em pequenas coisas. Mas o bacana mesmo é tirar proveito de tudo que vivemos e conseguirmos evoluir.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Pois é, o assunto é triste, dá um nó no peito e com o tempo, ou o desenrolar das palavras, vamos conseguindo falar. Não dá uma sensação de calma e carência falar de morte? Gostei de sua contribuição.

    Abraços,

    ResponderExcluir
  8. De fato, Bel, em cada fase da vida se encontra um episódio de morte, das pequenas mortes que nos acometem desde o nascimento e das quais vamos pouco a pouco nos conformando em conhecer.
    Bjos mil,
    Calu

    ResponderExcluir
  9. Querida Bel
    "...um ramo de jasmins todo orvalhado"...
    (Amara)

    Muito atrasada com vc em comentar... peço-lhe minhas humildes desculpas pois a casa cheia com filhos e netos... Só vendo, amiga!!!
    Vc disse uma coisa muito certa:
    Entre uma fase e outra da nossa vida... existiu uma morte... uma passagem... perfeito!!!
    Seja muito feliz e abençoada hoje e sempre!!!

    "Simpatia são dois galhos
    Banhados de bons orvalhos"...
    (Ieda)
    Um maravilhoso mês de setembro, repleto de gotículas de orvalho!!!
    Bjm de coração a coração pra VC...

    http://espiritual-idade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. A cada dia morremos um pouquinho, deixamos coisas pra trás... Linda tua participação e tenho certeza, logo surgirá outra blogagem coletiva! Vamos esperar!beijos,chica

    ResponderExcluir
  11. Bel querida,

    Realmente, quando entramos para uma nova Fase da Vida uma anterior já morreu, e trazemos dela todo o aprendizado e as lições positivas para fazerem parte e acrescentarem a próxima.
    Assim será com a morte do físico, levaremos para outros planos todo o aprendizado e as melhores lições para fazerem parte de nossa evolução....

    Um grande beijo em seu coração!!!

    ResponderExcluir
  12. Olá, Bel!Acho exactamente a mesma coisa!Tivemos a mesma abordagem nesta 7ª fase da colectiva. Para mim vão acontecendo uma série de mortes durante a vida e cada uma nos transforma.
    Gostei do teu texto!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Bel,tem razão!Enquanto andamos pela vida,vamos deixando partes de nós que "morrem" pelo caminho...linda sua participaçao e belo texto!Bjs,

    ResponderExcluir
  14. Você sempre perfeita, fala exatamente o que penso e sinto. Perfeito, exatamente isso que sinto, tanta coisa na minha já morreu, sonhos, planos, mas tanta coisa nasceu. Bjs Eliane

    ResponderExcluir
  15. Linda Bel,
    vou lhe contar um segredinho. Há fases que voltam!

    Há quem diga até, que a velhice e a infância têm muito em comum. Mas não é precisamente a essas duas que me refiro.

    Há os casos de pessoas que após um divorcio voltam a fazer coisas que só faziam na juventude. Por isso rejuvenescem!!

    Mas sim, concordo com você, morremos um pouco todos os dias.
    Beijinhos mil.
    Rute
    P.s.-A próxima fase já está postada. Se pensou que a 7ªfase era a morte da nossa BCFV, tá muito enganada!! Ainda tem a 8ªfase e esta sim é a última.

    ResponderExcluir
  16. Eis um excelente tema. Difícil, sem dúvida.

    Houve um tempo em que ela conviveu naturalmente com os homens e estes com ela: era quase familiar. Agora, tornou-se tabu. É preferível ignorá-la. Cada um fará com ela, só, como puder.

    Já não se pensa nela, não é por já não ser problema. É o contrário: de tal modo é problema, o único problema para o qual uma sociedade que se julga omnipotente não tem solução que a única solução é não falar dela e fazer dela tabu.

    Para o Homem moderno, pensar é calcular e dominar e, assim, como vive como se não tivesse de morrer, isto é, como já não sabe que tem de morrer a sua própria morte, quando ela aparece, só lhe pode aparecer como catástrofe.

    Agora, vive-se no dia-a-dia, até que de repente, estranhamente, "já não há mais um novo dia".

    No quadro de um mundo matematizado e calculável, as qualidades, as formas e os valores, porque não calculáveis, são remetidos para o domínio do subjectivo, do arbitrário e até da irrealidade.

    Diante da morte não há cálculo possível.

    Para o Homem tradicional, a morte constituía um poder formador e director, que dava configuração e sentido à vida.

    Imperava então um desespero apaixonado, que hoje nos parece incompreensível e representa um acentuado contraste com a nossa indiferença. Mas, nada impede que dentro de cinquenta ou cem anos (porque não dentro de cinco?) volte essa neurose ou psicose de angústia da morte, de tipo metafísico, com a pergunta radical: para quê o esforço da nossa existência, se morremos completamente, vamos para a cova e, em última instância, não nos resta nada?

    Ass: Mário

    ResponderExcluir
  17. Olá Bel.
    Como você colocou, aqui terminou a nossa blogagem coletiva, pois esta foi a fase final. Assim é feita a vida, um eterno nascer e morrer. Gosto de ver nossa partilha e a diversidade de pensamentos e ideias que se apresenta.Um mesmo assunto, com tantas e interessantes forma de abordar, só vem acrescentar em nossa vida. Foi bom vir aqui, um lindo domingo pra você e sua família, bjs.

    ResponderExcluir
  18. É verdade, existem muitas formas de morte. Inclusive dentro de nosso corpo, 30.000 células morrem por dia. E q a vida é intensa e vigorosa em todas as sua fases. Muita paz!

    ResponderExcluir
  19. Adorei o seu post! Realmente temos que refletir sobre esse tema diariamente!!!

    Adorei o seu cantinho e já estou te seguindo, depois dá um pulinho lá no meu!!

    www.achochicc.blogspot.com

    beijinhos!!!!

    ResponderExcluir
  20. Bel...
    incrível o seu texto, falou profundamente comigo.
    acho que a morte talvez queira nos ensinar a viver o momento presente, né.
    Ele não volta, só é possível acessá-lo nas lembranças e no nosso coração.
    lindo demais o seu texto.
    profundo e reflexivo.
    bjs.

    ResponderExcluir
  21. Obrigada amada pela visita ja estou por aqui também! Semana de luz!

    ResponderExcluir

De volta

Amigos... Desde Dezembro, tanta coisa aconteceu...Minha vida deu 360º , mas se estou feliz? Estou em paz, leve e solta...(não no sentido...